quinta-feira, 12 de maio de 2016

Santa Catarina...mal tratada

Boas,

partilhamos, abaixo, transcrição e link de mensagem colocada no facebook de um dos praticantes de bodyboard, federados através da AST, na Federação Portuguesa de Surf. Gostaríamos que divulgassem para que se entenda que, infelizmente, a natureza "intacta" nos Açores é, na grande maioria das vezes, uma ilusão. 

"Hoje, dia 12 de maio de 2016, após dirigir.-me à onda de Santa Catarina, na Praia da Vitória, ilha Terceira, não quis acreditar no cenário que encontrei:
Depois de muitos anos a lutar pela despoluição e pelo reconhecimento público da importância desta onda para várias gerações não só de surfistas e bodyboarders, mas também de outros praticantes de desportos náuticos como a caça submarina,
Santa Catarina hoje, pelas 10:00 horas estava novamente com esgotos provenientes do matadouro industrial da ilha terceira sem qualquer tratamento, como se pode atestar pelas fotos e vídeo em anexo.
Esta é uma situação gravíssima de saúde pública que deverá ser no mínimo investigada e explicada à população.
Preocupa-me muito como utilizador daquele espaço a exposição de jovens que utilizam aquele mesmo espaço estarem vulneráveis, por exemplo um dia que estejam a surfar, e levam com uma descarga irresponsável destas, e nos problemas de saúde que poderão adquirir. Quem, nesse caso será responsabilizado?"



Esta situação era algo, infelizmente, bastante frequente e, após obras de vários milhares de euros que incluíram uma infraestrutura costeira de protecção (de dimensões questionáveis) e um bypass que transferia o efluente do matadouro industrial para "longe" da mítica onda de Santa Catarina, deixaram de ocorrer... até hoje.
Esperamos que esta situação seja sanada de forma definitiva para que o cartaz dos Açores e principalmente da Ilha Terceira não seja de SANGUE a desaguar no MAR.


O cartaz de recepção às low cost na Ilha Terceira

Fresco...



Infelizmente... estas imagens são ainda do presente

1 comentário:

Cesar Cota disse...

Mais informo que se se dirigirem para a zona do parque de combustíveis, no final da antiga pedreira existe um esgoto a céu aberto para o mar que, pelo cheiro e pela cor, não se trata de águas pluviais...